Trivela

Serie A

Um dos momentos mais sublimes vividos em um estádio de futebol nos últimos tempos foi protagonizado por Andrea Bocelli. Como não se arrepiar com a homenagem feita pelo cantor a Claudio Ranieri, em pleno King Power, após a conquista da Premier League pelo Leicester? Pareceu o final dos sonhos para o conto de fadas protagonizado pelas Raposas. Depois disso, certamente o italiano deve ter criado seus laços com o clube inglês. Mas sua paixão permanece apenas uma, admitida durante entrevista nesta semana: a Internazionale.

“Eu sempre fui torcedor da Inter. Mas, acima de tudo, sou anti-Juventus. Minha paixão pelos nerazzurri vem dos meus anos na escola, quando a ‘Grande Inter’ ganhou tudo na Itália e ao redor do mundo. Apenas meu filho mais novo, que tem cinco anos, ainda não desenvolveu a paixão pela Inter. Mas estou trabalhando nisso e penso que terei sucesso na missão”, contou o astro.

Nascido Lajatico, uma pequena comuna na Toscana, Bocelli não caiu de amores pela Fiorentina ou qualquer outro clube da região. O fato de ter passado a infância nos anos 1960 permitiu que acompanhasse a lendária Inter de Helenio Herrera, bicampeã europeia. O garoto tinha seis anos quando os nerazzurri conquistaram o seu primeiro título continental, e ainda pôde acompanhar quatro scudetti da Serie A no mesmo período. Embora tivesse um glaucoma congênito, o italiano perdeu a visão totalmente apenas aos 12 anos. Ele jogava futebol com os amigos e estava no gol, quando uma bolada nos olhos causou uma hemorragia cerebral e culminou na cegueira.

Independentemente das limitações, Bocelli continuou seguindo a Internazionale. E desfrutou do outro grande período de glórias dos nerazzurri, vivido em 2010, com a conquista da Tríplice Coroa sob as ordens de José Mourinho. Já um astro internacional da música, o cantor não deixou de acompanhar a decisão contra o Bayern de Munique, disputada em Madri.

“Eu estava com meus amigos, diante da televisão, mas ouvindo o jogo no rádio. A voz do narrador que eu ouvia vinha alguns segundos antes das imagens na TV. Assim, eu escutei os gols antes de todos, dando spoiler aos meus amigos. Eu chorei bastante naquele dia. A Tríplice Coroa foi um momento cheio da alegria, nenhum clube italiano será capaz de se igualar a isso”, afirmou Bocelli.

Bocelli ainda é próximo de um dos maiores ídolos da história da Inter, Javier Zanetti. Em 2016, os dois organizaram um evento beneficente em Milão, às vésperas da decisão da Liga dos Campeões, entre Real Madrid e Atlético de Madrid. Outras personalidades do esporte participaram do concerto, entre elas Pelé, Claudio Ranieri, Massimiliano Allegri, Roberto Carlos, Samuel Eto’o, Clarence Seedorf, Gianluca Zambrotta, Marcello Lippi, Arrigo Sacchi, Francesco Toldo, Iván Córdoba e Esteban Cambiasso. Já em setembro, acompanhado por Zanetti, atual vice-presidente da Inter, o cantor visitou a sala de troféus do clube e ganhou uma camisa personalizada.

Trivela

VOLTAR AO TOPO