Trivela

O Porto atravessou anos difíceis. Perdeu a hegemonia no Campeonato Português para o Benfica, nem sempre conseguiu emplacar nos mata-matas da Liga dos Campeões. Nesta temporada, porém, tudo parece na mais perfeita harmonia aos portistas. Lideram a liga nacional, apesar dos tropeços recentes que permitiram a aproximação do Sporting. E nesta quarta asseguraram a presença nas oitavas de final da Champions com uma vitória categórica – bem diferente do que fizeram os seus rivais. O Monaco, afinal, traz ótimas lembranças ao Estádio do Dragão. Freguesia que se ampliou um pouco mais com a goleada por 5 a 2 sobre os alvirrubros, que já estavam eliminados.

O grande nome da noite foi Vincent Aboubakar. O camaronês anotou os dois primeiros gols da partida, abrindo vantagem ao Porto em 33 minutos. Pouco depois, cada time teria um jogador expulso, em entrevero de Felipe com Rachid Ghezzal. E antes do intervalo, Yacine Brahimi reproduziu o placar místico da final de 2004. O Monaco descontou na volta do segundo tempo, em pênalti cobrado por Kamil Glik. Alex Telles fez o quarto de sua equipe, em belo chute colocado. Radamel Falcao García deixaria o seu, até que Tiquinho Soares fechasse a conta de cabeça.

O Porto só dependia de si para ficar com a segunda colocação do Grupo G. E, ainda assim, contou com a ajuda do Besiktas. Os líderes da chave derrotaram o RB Leipzig na Alemanha, por 2 a 1, e mandaram os Touros Vermelhos para a Liga Europa. O primeiro gol saiu na etapa inicial, em pênalti convertido por Álvaro Negredo. Naby Keita, em boa jogada individual, deixou tudo igual na segunda etapa. Já o tento decisivo sairia dos pés de Anderson Talisca, em belo chute da entrada da área. Vale mencionar ainda que os dois goleiros trabalharam bastante, especialmente o turco Tolga Zengin.

Besiktas e Porto passam como adversários “desejáveis” no sorteio dos mata-matas da Champions. É o primeiro colocado menos tarimbado, ao lado da Roma, e o segundo mais acessível, em pelotão formado também por Basel, Shakhtar Donetsk e Sevilla. Independentemente disso, pela maneira como ambos avançaram em um grupo bem equilibrado, não devem ser descartados. Até pelo exemplo dado pelo Monaco na temporada passada. Um bom sorteio, aliado a atuações firmes taticamente, podem ajudar. Os turcos, especialmente pelos jogadores experientes que possuem, merecem atenção.

Trivela

VOLTAR AO TOPO