Trivela

independiente

Sul-Americana

O Estádio Libertadores de América remete a outros tempos do Independiente. A realidade atual do Rojo é bem mais modesta. O que não a impede de possuir traços de grandiosidade, como foi nessa terça-feira, no duelo que definiu o primeiro quadrifinalista da Copa Sul-Americana. O time de Avellaneda precisava reverter a derrota por 1 a 0 na visita ao Atlético Tucumán no primeiro jogo das oitavas. Conseguiu, mas só depois de uma noite com contornos épicos, especialmente no segundo tempo – em 45 minutos de um golaço, dois pênaltis defendidos e duas expulsões. Ao final, a vitória por 2 a 0 coloca o Independiente na próxima fase, aguardando Nacional-PAR ou Estudiantes.

O clima em Avellaneda era fantástico, com um belíssimo recebimento nas arquibancadas do Libertadores de América – com direito a trapos, sinalizadores e cantoria a plenos pulmões. Quando a bola rolou, o Independiente não decepcionou. Em início intenso tanto nas chances de gol quanto nas entradas mais duras, o Rojo abriu o placar aos 17 minutos. Boa jogada de Martín Benítez pela direita, com Leandro Fernández desferindo um belo chute cruzado, sem qualquer chance de defesa. Na sequência, o Atlético Tucumán até ameaçaria, mas a melhor chance ainda foi dos anfitriões, parando em grande defesa do goleiro albiceleste Cristian Lucchetti.

A situação do Independiente ficou um pouco mais delicada aos sete minutos do segundo tempo. O capitão Nicolás Tagliafico entrou de sola no tornozelo do adversário e a entrada dura recebeu o justo segundo cartão amarelo, resultando na expulsão. Com um a menos, o Rojo precisava segurar a vantagem para forçar a disputa por pênaltis. E, tomando pressão, desperdiçou uma chance enorme do segundo gol aos 22 minutos. Pênalti para os anfitriões. O goleiro Lucchetti pegou a cobrança de Leandro Fernández. Já no rebote, o camisa 11 teve a chance com o gol aberto, na linha da pequena área, mas chutou por cima. A sorte parecia sorrir ao Atlético Tucumán.

Dez minutos depois, seria o Decano que teria um pênalti anotado a seu favor. A cobrança caiu sob a responsabilidade de Luis Miguel Rodríguez, ídolo dos tucumanos e protagonista nas campanhas continentais desta temporada. No entanto, por mais que La Pulga seja uma das referências do time, ele não cumpriu sua missão. Até converteu a primeira cobrança, anulada por invasão da área. Já na segunda, quis trocar o canto e parou no goleiro Martín Campaña. Aos 38, o Independiente selou a classificação ao marcar o segundo gol, graças a um chutaço de Martín Benítez da entrada da área, mandando na gaveta.

O Atlético Tucumán ainda precisava apenas de mais um gol para se classificar, e ele quase veio na sequência. Pulga Rodríguez soltou a bomba de primeira, mas não se redimiu, com o chute passando rente à trave. Ao final, os acréscimos guardaram mais uma confusão, com Yonathan Cabral expulso pelo lado albiceleste, ao agredir o goleiro Campaña. O último ato do jogaço que se viveu em Avellaneda. Por fim, as arquibancadas viveram uma ebulição com a celebração da torcida vermelha.

Treinado por Ariel Holan, o Independiente possui alguns jogadores experientes, que podem ajudar em sua empreitada. E, mais importante, o Rojo demonstrou ter coração para avançar contra um adversário duro, diante de situações que não eram favoráveis. Já o Atlético Tucumán se despede da primeira temporada continental de sua história com a cabeça erguida. Poderia ter feito mais nesta terça, mas caiu em pé, sem desistir em qualquer momento. E proporcionando quase sempre uma festa fantástica nas arquibancadas, com sua fanática torcida.

Trivela

VOLTAR AO TOPO