Trivela

Colunas

Duas rodadas de Eliminatórias se passaram e os Estados Unidos somaram apenas um ponto, suado, contra Honduras. Jogando em casa contra a Costa Rica, derrota por 2 a 0. A situação que parecia bem encaminhada, voltou a ser uma ameaça e causar muita dor de cabeça para os americanos, principalmente pela repetição de erros que acontecem há muito tempo.

LEIA TAMBÉM: [Vídeo] É impossível não se arrepiar com a narração síria do gol miraculoso rumo à repescagem

Depois da Copa de 2014, a seleção americana até tentou renovar jogadores, mas o estilo de jogo do time então comandado por Klinsmann continuava muito pobre. Após tropeços no início do hexagonal final das Eliminatórias, o alemão foi substituído por Bruce Arena, experiente treinador que já comandou a esquadra americana e que acabou mudando o moral do time. O resultado foi a volta dos Estados Unidos à briga, mas não por muito tempo.

Nessa última semana de Eliminatórias, os americanos voltaram a repetir erros do passado. Defesa frágil, meio-campo pouco criativo e atacantes sumidos dos jogos. No primeiro jogo, em casa, contra a Costa Rica, o caos. Enquanto a seleção americana tinha mais posse de bola e não sabia o que fazer com ela, os adversários chegaram duas vezes sem dificuldade e venceram por 2 a 0, explorando principalmente as falhas defensivas americanas. Contra Honduras, um empate salvador no fim da partida depois de tomar pressão em quase todos os minutos do confronto.

Escalações equivocadas, táticas mal planejadas ou apenas falta de concentração da equipe poderiam explicar os resultados ruins se esse fosse um problema novo nos Estados Unidos, mas não é. A questão é que o time ainda se ilude muito com a Copa Ouro, disputada no meio do ano e vencida sem muitas dificuldades pelos americanos mesmo que muitos times tenham levado equipes reservas para a competição, inclusive o grande rival México, para dar descanso aos seus jogadores que atuam na Europa.

Agora, com os tropeços das últimas duas rodadas, os americanos precisam vencer Panamá, em casa, e Trinidad & Tobago, como visitante, nos confrontos finais da competição caso queiram uma vaga direta na Copa do Mundo. Hoje, a seleção americana amarga uma pobre quarta colocação e estaria na repescagem contra o vencedor de Austrália x Síria, da Ásia. O grande problema é que o Panamá já passou a seleção americana e também precisa de um bom resultado nas rodadas finais para garantir vaga direta na Rússia, criando um componente ainda mais dramático para o embate de outubro.

O Panamá, aliás, está em terceiro e possui os confrontos mais difíceis. Além dos americanos, os panamenhos enfrentam a Costa Rica na última rodada. Honduras, que está em quinto lugar com a mesma pontuação dos Estados Unidos, vai enfrentar a Costa Rica e o já classificado México. Sendo assim, as últimas duas rodadas das Eliminatórias da Concacaf reservam grandes emoções, principalmente para os Estados Unidos, a equipe que tanto prometia, mas ainda tropeça em erros do passado.

Trivela

VOLTAR AO TOPO